Publicado em

Como o Design Thinking Acontece

“Eu não posso dar uma resposta que se aplica a todos  Eu não sou um porta-voz, por isso esta é a minha opinião: Apesar das definições que vemos nos livros e websites, design thinking continua a ser um conceito bastante difuso e dinâmico. No entanto, a fase de definição do problema de um projeto é um componente-chave, e é neste ponto que não apenas as grandes corporações, mas pessoas como eu falham. As pessoas e as equipes são medidas pelo que fazem. Design thinking pede que, antes de tentarmos fazer coisas, devemos gastar uma porção significativa de tempo no início de um projeto questionando pressupostos. Isso pode parecer muito com não fazer nada importante. Pode parecer com ir às compras ou visitar um parque temático, ou entrevistar avós, mas não se parece com design, e não parece levar o projeto para mais perto da conclusão. É só quando a equipe tem uma visão que ajuda seu projeto a ir em uma nova e valiosa direção, que esse investimento inicial de tempo e energia se torna claro. “Lembram daquela coisa que vimos? E se a gente …”

É fundamental fazer as perguntas certas, e eu acho que o Design Thinking ajuda a dar às pessoas que estão acostumadas a resolver problemas rapidamente um método (e permissão) para ir devagar e determinar se estão resolvendo os problemas certos. Isso pode ir contra a cultura corporativa, porque pode significar ter que questionar suposições de seu chefe.

Outros aspectos do pensamento de design também têm problemas em grandes empresas, como a colaboração entre os departamentos, e prototipagem rápida e iterativa e espaços desarrumados dedicado ao projeto, etc., etc. Todas essas coisas foram em torno de décadas sob uma variedade de etiquetas. E provavelmente é verdade que tanto IDEO e design thinking sofrem de exageros.

Mas todos que eu conheço que estão praticando os princípios do design thinking porque são eficazes, e há um entusiasmo honesto em promovê-los para os outros, especialmente para as pessoas que não veem como designers, mas que são chamados a fazer “design” em seus postos de trabalho (seja planejar um projeto significativo ou improvisar uma solução in loco) todos os dias.”

Scott Underwood, IDEO

Traduzido do post originalmente publicado aqui.

Publicado em

Você já ouviu falar sobre design educacional?

Design educacional nada mais é do que a aplicação do design na forma de dar aula e se estudar. O design educacional é caracterizado pela separação física entre professor e aluno, pelo uso de tecnologias de comunicação bidirecional, uso de recursos didáticos de conteúdo e apoio e aprendizagem autônoma do estudante.

Esse modelo didático não coloca no professor toda a responsabilidade pedagógica do aprendizado, mas sim sobre a instituição e especialistas que elaboram o material didático e técnicas apropriadas para o acompanhamento do aluno e verificação de aprendizagem.

O designer educacional analisa cada aluno observando as dificuldades individuais e subjetivas. Ele pode identificar a possibilidade do aluno “pular” conteúdos, ter autonomia para decidir o que quer estudar primeiro e escolher as tecnologias mais acessíveis aos alunos.

A organização educacional sem fins lucrativos Khan Academy é um exemplo de design educacional aplicado. Com uma plataforma educacional eles disponibilizam mais de 5000 vídeos online abrangendo áreas como matemática, astronomia, física, história e programação.

No portal é possível fazer exercícios e testar o que foi aprendido em cada lição, além de ser permitido o acompanhamento do progresso. Os professores são chamados de “treinadores” e são eles que monitoram o progresso dos alunos em grupos. Para os alunos, o estudar fica mais divertido e dinâmico, podendo escolher o conteúdo que quer ver primeiro e depois testar o conhecimento com exercícios lúdicos. Todo o aprendizado também pode ser considerado um game, já que a cada exercício e vídeo assistido os alunos recebem pontos de energia e podem passar de fase.

A proposta do criador da Khan Academy, Salman Khan é criar um novo modelo de escola online autônoma, “o aluno entra sabendo apenas como usar o mouse e aos poucos já se instrui, sobe patamares, avalia a si mesmo e cresce em qualquer matéria de estudos”, explica Khan em entrevista para o jornal O Globo.

Para entender melhor sobre o assunto e ver o design educacional aplicado assista o vídeo do Salman Khan no TED.

Por Mônica Monteiro